21 de setembro de 2010

AS CAMARINHAS

No pinhal de Leiria, mais conhecido como "O Pinhal do Rei" e nas dunas perto do mar, nasce espontâneamente a camarinheira. Produz um fruto comestível, a camarinha, com sabor agridoce de aspecto leitoso, brancas e brilhantes como pérolas.
A sua beleza invade os nossos olhos e o nosso olfacto. O cheiro que o seu arbusto liberta é doce, cheira a mel. Todos os dias quando me dirigia para a praia deliciáva-me com o seu sabor e cheiro.
Transcrevo os versos sobre a lenda das camarinhas:


AS CAMARINHAS

Dizem que Santa Isabel,
Rainha de Portugal,
Montando branco corcel,
Percorria o seu pinhal!

-“Ai do meu Esposo! Dizei!
Dizei-me, robles* reais!
Meu Dinis! Senhor meu Rei!
Em que braços suspirais?!...

Os robles silenciosos
Do vasto Pinhal do Rei
Responderam receosos
– Não sei!...

E o pranto da Rainha
Nas suas faces rolava,
Regando a erva daninha
No pobre chão que pisava!

– “ Ó meu Pinhal sonhador
Que o meu Rei semeou!
Dizei-me do meu Amor
E se por aqui passou...”

Os robles silenciosos
Do vasto Pinhal do Rei
Responderam receosos:
– Não sei !...

Mas cristalizou-se o pranto
Em muitas bagas branquinhas
E transformou-se num manto
De brilhantes camarinhas!...

Eis que repara a Rainha
Numa casa iluminada...
– “ Quem vela nesta casinha
Numa hora adiantada ?!...”

Os robles silenciosos,
Tão tristes que nem eu sei,
Responderam receosos:
– O Rei!...

* robles - nome popular por que também são conhecidos os carvalhos.


CAMARINHAS


20 de setembro de 2010

SARDINHA ASSADA

Nas minhas férias comi e abusei do peixe grelhado.
Um desses peixes foi a sardinha que estava bem gorda, até pingava na broa.

Ingredientes:


12 Sardinhas

Sal
2 Tomates
2 Pimentos
1 Cebola
1 Broa

SARDINHA ASSADA
Preparação:

Temperar as sardinhas com sal grosso.
Lavar e cortar o tomate às rodelas. Juntar a cebola também em rodelas finas.
Assar os pimentos. Depois de assados retiramos a pele e desfiamos em tirinhas finas sobre os tomates. Temperar a gosto com sal, azeite e vinagre.
Grelhar as sardinhas lentamente.
Cortar a broa em fatias.Servir com um bom vinho branco fresco.    

                                               BOM APETITE

DOCE DE TOMATE NO MICROONDAS

Nesta altura do ano existe no mercado muito tomate maduro. Com ele podemos fazer o delicioso doce de tomate, para o café da manhã ou para o lanche dos dias de Outono que se aproxima. Fiz este doce no micro ondas, nas seguintes quantidades:


Ingredientes:


400 g de tomate cortado em pedaços pequenos
400 g de açúcar louro (escuro)
1 pau de canela


Preparação:

Num recipiente que possa ir ao micro ondas colocar o tomate cortado, o açúcar e o pau de canela.
Misturar tudo muito bem, tape e leve ao micro ondas na potência máxima durante 45 a 50 minutos.
Retirar e mexer a cada 5 minutos.
Mais para o final da cozedura o doce vai ganhar espuma, ter o cuidado para não transbordar.
Colocar em frasco esterilizado.


DOCE DE TOMATE
 Bom Apetite

11 de setembro de 2010

COCKTAIL DE PAPAIA

Ingredientes:

COCKTAIL DE PAPAIA
½ Papaia
10 cl Sumo de Laranja
3 cl de Rum
2 Colheres (sopa) de natas líquidas

Preparação:

Triture a papaia e misture-lhe o sumo de laranja e o rum.
Verta num copo longo e acrescente as natas.

Dose: 1
Receitade: Cocktailteam

COCKTAIL DE ANANÁS

Ingredientes:

1 rodela de Ananás
COCKTAIL DE ANANÁS
2 cl de Xarope de Açúcar
1 folha de Hortelã
10 cl de Sumo de Ananás
Gelo Moído q.b.

Preparação:

Corte o ananás em cubos e coloque-os no liquidificador, com xarope, a folha de hortelã, o sumo e o gelo moído.
Triture, verta para um copo médio e sirva.

Dose: 1
Receita de: Cocktailteam

APRECIEM CADA MOMENTO

JÁ DIZIA António Feio " Aproveitem a vida e ajudem-se uns aos outros. Apreciem cada momento e agradeçam não deixem nada por dizer, nada por fazer...", É ESTE PRINCIPIO QUE EU E MEU MARIDO TENTAMOS SEGUIR.

Pescaria - 10.09.10
HOJE FOI UM DESSES GRANDES MOMENTOS. O DIA NASCEU RADIOSO. DEPOIS DE TOMARMOS O PEQUENO ALMOÇO, FOMOS PARA A NOSSA PRAIA (VIEIRA DE LEIRIA). ELE FOI FAZER O QUE MAIS GOSTA, PESCAR. EU APROVEITEI A BAIXA - MAR E FUI CAMINHAR AO LONGO DA PRAIA , DESDE A FOZ DO RIO LIZ ATÉ PERTO DA PRAIA DO PEDROGÃO.
DEPOIS DO ALMOÇO VOLTAMOS PARA A PRAIA .
SE O DIA JÁ ESTAVA MARAVILHOSO, MAIS FICOU, POIS O MEU MARIDO APANHOU BOM PEIXE.

ASSIM COMO NASCEU RADIOSO, TAMBÉM SE PÔS NUM BELÍSSIMO POR DO SOL.


POR DO SOL - 10.09.10



A MINHA PRAIA

SOU NATURAL DE VIEIRA DE LEIRIA.
ARTE XÁVEGA
TERRA ACOLHEDORA, HOSPITALEIRA, CONSTRUÍDA E ENGRANDECIDA POR TODOS QUE NELA HABITAM E TAMBÉM PELOS QUE ESTÃO EMIGRADOS NOS QUATRO CANTOS DO MUNDO. È UMA TERRA DE ENCANTO, SITUADA NO DISTRITO DE LEIRIA E CONCELHO DE MARINHA GRANDE, RODEADA PELO PINHAL DO REI, "D. DINIS". A NORTE LADEADA PELO RIO LIZ, QUE NASCE NO LUGAR DE FONTES - CORTES - LEIRIA.  A OESTE SITUA-SE A HOSPITALEIRA PRAIA DE VIEIRA DE LEIRIA, BANHADA PELO OCEANO ATLÂNTICO.


PRAIA DE VIEIRA DE LEIRIA - ARTE XÁVEGA
A PRAIA DE VIEIRA DE LEIRIA TEVE ORIGEM NA ACTIVIDADE PESCATÓRIA, "ARTE XÁVEGA", TENDO SIDO UM DOS PRINCIPAIS FACTORES PARA A FIXAÇÃO DA SUA POPULAÇÃO. AINDA HOJE A COMUNIDADE PISCATÓRIA IMPRIME UM BULÍCIO SAZONAL TÍPICO DE UMA GRANDEZA ETNOGRÁFICA ENORME, QUE PERMITE TRAZER MUITOS TURISTAS A ESTA REGIÃO. HOJE JÁ NÃO OUVIMOS AS PEIXEIRAS A APREGOAR PELAS RUAS DA VILA A VENDA DO PESCADO: "QUEM QUER SARDINHA FRESQUINHA, 
QUE SAIU AGORA DO MAR?"
A ARTE XAVEGA CONTINUA, A VENDA DA SARDINHA, DO CARAPAU, E MUITOS OUTROS PEIXES, CONTINUAM TAMBÉM, MAS VENDENDO-SE EM LOCAIS PRÓPRIOS, COMO POR EXEMPLO NA LOTA OU NAS PEIXARIAS. 

IGREJA DE VIEIRA DE LEIRIA




9 de setembro de 2010

COELHO BRAVO À MODA DE ARGANIL

Nas férias gosto de variar as receitas, e nestas tenho tentado variar, pois estando de dieta, tenho feito alguns pratos que o meu marido adora.
Como tinha um coelho bravo congelado e ao pesquisar na web encontrei esta receita de coelho bravo à moda de ARGANIL que passo a transcrever:

Ingredientes para 4 pessoas

1 coelho bravo
Sal
Pimenta
1 c. (chá) de colorau
Pinpiri
2 cravinhos
1 c. (sopa) de banha
3 dl de azeite
1 cebola
2 dentes de alho
folha de louro
3 dl de vinho tinto
1/2 pão regional
1 ramo de salsa

Modo de preparação:

Arranje o coelho e corte-o aos pedaços regulares. Tempere com sal, pimenta, o colorau, piripiri e os cravinhos. Reserve durante cerca de 30 minutos, para que tome o gosto do tempero.

Envolva a banha com 0,5 dl do azeite e leve ao lume. Depois de derretida, adicione os pedaços de coelho e deixe corar, de ambos os lados, virando-os ocasionalmente. Acrescente a cebola e os dentes de alho fatiados e refogue um pouco. Aromatize com a folha de louro e regue com o vinho.

Tape o recipiente e estufe, em lume brando, durante 45 minutos. Enquanto isso, corte o pão às fatias e frite-as no restante azeite quente.

Retire com uma espumadeira e escorra sobre folhas de papel absorvente. Disponha o pão de encontro às paredes de um recipiente de servir e, ao centro, coloque o coelho estufado. Regue com um pouco de caldo e sirva decorado com a salsa.

COELHO BRAVO À MODA DE ARGANIL 
Poderá fazer com coelho manso, mas para os apreciadores de coelho bravo decerto não será a mesma coisa.

BOM APETITE

COELHO BRAVO  - (Oryctolagus cuniculus)

Espécie cinegética de pêlo, bastante apreciada pelos caçadores portugueses.

Em Portugal encontra-se em todas as regiões do continente, também nos Açores e na Madeira, para o­nde foi levado pelos navegadores portugueses conforme relatada nos escritos da época, sendo este responsável pelo abandono da ilha da Madeira, pois passado alguns anos tudo o que era semeado não dava fruto, tudo era roído.
O pêlo é de uma cor pardo acinzentada terrosa, mais escura na cabeça do que no dorso, à excepção do ventre e da parte externa das coxas que são brancos. As orelhas são acinzentadas na metade posterior (da mesma cor que o resto do corpo na parte anterior) e os pêlos na parte anterior são esbranquiçados. À volta dos olhos apresentam um círculo claro não muito definido. Os bigodes são castanhos e pouco compridos. A cauda é cinzento acastanhada na parte de cima e branca por baixo, formando um pequeno tufo.. As patas posteriores são alongadas de cor parda acinzentadas claras, apresentando uma risca branca larga. As unhas são grandes e afiadas, constituindo uma ferramenta imprescindível para a escavação de tocas e para ajudar à sua rápida fuga.